Abelhas da Quinta

abelheiroFui pego em acção pela Juli na semana passada! Estava ali super concentrado e preocupado em salvar este enxame que estava com muita Varroa. Confesso que não gosto nada desta luta, pois é uma faca de dois gumes: A única forma de controle nesta altura é a abertura frequente da colmeias, exclusão de cria de Zangão e (ácido fórmico) se não houver mel…por outro lado a abertura frequente altera o ambiente interior da colmeia e causa stress geral. Lí um livro outro dia em que autor defendia que abrir a colmeia seria como proceder à uma cirurgia no coração. Neste caso é uma cirurgia vascular à cada 15/20 dias. Tenho lido coisas sobre “natural beekeeping” e ando louco para ensaiar e ver se consigo reduzir este stress!

Sementeira de Inverno

estufa2

Estufa caseira

Este ano adiantamos as nossas sementeiras com uma solução caseira: Uma pequena estufa feita de uma palete velha, uma lona plástica que estava prestes a ir para o Ecoponto, uns saquinhos de terra e voilá! Alhos franceses, cebolos, pepinos, beterrabas, tomates, beringelas! Assim que esquentar um pouquinho mais aqui vamos nós para a terra. E da poda das framboesas fizemos estacas, que a julgar pelos belos botões deram certo! 🙂

Enxames

A partir do mês de Março e com o aumento das florações as abelhas já começam a enxamear!  Onde há a proximidade do meio rural com as cidades, ou aldeias podem vir ter às nossas casas, ou outros locais quaisquer que possam gerar incidentes. Nestes casos nunca tente fazer qualquer coisa contra o enxame nem aproximar-se. Afaste-se e peça ajuda imediatamente. Quanto mais cedo melhor. Nós poderemos remover enxames nas proximidades da Quinta do Alecrim e Torres Novas. No entanto sempre procederemos a uma avaliação da situação, pois onde houver riscos de acidentes sempre é necessário accionar com os bombeiros. Swarm Fone: 913776136 enxame 2

Novo Apiário

Este ano adquirimos mais material, mais alguns enxames e mudamos o apiário de lugar. É um ano de aprendizado, pois agora temos colmeias Lusitanas, Reversíveis, Langstroth e ainda uma Warré que ainda está a espera de inquilinas. O novo apiario está protegido do vento frio de Norte e as colmeias estão posicionadas a sul. As abelhas têm a sua disposição diversas floradas e meladas de mato que variam desde o rosmaninho, o tojo, orégãos, amendoeiras, silvas, folhado, sanguinho das sebes e outros arbustos, flores silvestres, ameixoeiras, nespereiras e outras árvores frutíferas, até as meladas de carvalhos e azinheiras.

Apiario Alecrim 1

As colmeias Lusitanas que possuímos ainda estão no antigo apiário que dista apenas alguns metros deste e ainda não sabemos como iremos fazer a mudança de local. As colmeias Reversíveis já chegaram com enxames muito fortes e estão a trabalhar em força com muita entrada de pólen e néctar. Ainda não sabemos qual será a tipo de colmeia que melhor adapta-se às condições aqui  do nosso micro-clima, nem à qual nos adaptaremos de acordo com nossas ambições em desenvolver o manejo em “apicultura natural” aqui na Quinta.

Apiario AlecrimAs colmeias Langstroth não são colmeias de eleição aqui da Quinta do Alecrim, mas como vieram junto num pacote de material em segunda mão, decidimos dar uso ao conjunto. Estas são colmeias muito grandes e pesadas, quase não consigo levantá-las sozinho. Por outro lado o ninho é brutal, o que deverá permitir um desdobramento em breve. Apiario Alecrim 2

A poda das oliveiras

Ainda é tempo de podar as oliveiras. Quando chegamos na Quinta do Alecrim, as oliveiras estavam em diferentes estágios de abandono. O primeiro passo foi limpar toda a arrebentação de base. Aos poucos, quer pela conversa com os mais velhos, ou ainda pela observação e pela prática fomos aprendendo algumas formas de conduzir as árvores de forma a ter uma produção de frutos de forma contínua no futuro. É um trabalho longo que poderá levar 2, ou 3 anos até recuperar um conjunto de cerca de 60 oliveiras.

Oliveiras do Alecrim

Colmeia Warré

Nossa colmeia Warré prontinha a ser povoada! Apta para praticar “natural beekeeping” onde o foco principal é o bem estar das abelhas = abelhas mais saudáveis, mais resistentes às doenças, menor necessidade de tratamentos e menor necessidade de intervenção no ninho. A nossa warré foi adquirida junto aos nosso amigos da Timberbee. Nós fizemos algumas adaptações: Fixamos uma tela na caixa de agasalho para evitar que as abelhas possam roer a serapilheira. Também desta forma, as abelhas poderão regular as aberturas na rede à suas necessidades. Utilizaremos um saco de serapilheira cheio de palha que servirá como “isolante” térmico da colmeia.

Warré Hi

Warré Hi

E Fez-se o mel!

No passado final de semana, após dias envolvidos com a mudança e as arrumações na Quinta eu não resisti. Acordei cedo e rumei ao apiário para buscar o pequeno almoço. Cada flor que eu vi, cheirei, ou onde vi as abelhas no trabalho eu saboreei lentamente. Cada gota desse néctar que escorreu do favo. Image

Batatas.01: No digging potatoes

Image

Essa é nova e andávamos loucos para experimentar: No digging potatoes! Uma plantação de batatas que dá menos trabalho 🙂 Basta dispor as batatas no solo, a seguir dispor um pouquinho de composto e cobrir com uma boa camada de palha bem solta. A seguir adicionar algum composto sobre a palha e volta a adicionar + palha. Finalizar com mais algum composto e regar. Quanto mais a alta a pilha mais batatas teremos…quando for a altura certa basta ir buscar as batatas à palha sem maior esforço. e no final ainda teremos uma bela quantidade de material decomposto (palha+terra+água) pronto para adicionar ao canteiro, ou ainda para turbinar a composteira.

Fauna.01

Image

Na semana que passou fui mover a pilha de composto e deparei com uma família muito bem instalada no quentinho desta. O Rato do Campo normalmente não constitui uma ameaça a agricultura, menos em caso de desequilíbrio ecológico e pela falta de predadores naturais quando podem causar maiores estragos às plantações de cereais. Aqui na quinta são a fonte de alimento das corujas, das águias, raposas, saca-rabos, entre outros. Estes filhotes foram postos junto da pilha de lenha na esperança que a mãe os viesse buscar…